Pular para o conteúdo principal

Destaques

Broa Caxambu (bolacha de fubá)

Acredito que você ja comprou nas padarias aquelas bolachas de fubá muito gostosas para o café da manhã ou da tarde, esta é a receita delas.

Experimente, é muito fácil de fazer.

Ingredientes:

500 gramas farinha de trigo 500 gramas fubá 500 gramas açúcar refinado 1 colher (sopa) rasa de fermento em pó 1 colher (chá) sementes de erva-doce 5 colheres (sopa) manteiga sem sal (100g)3 ovos 1 ovo para pincelar 125 gramas de margarina  
Preparo:

Peneire as farinhas.
Coloque as farinhas em uma bacia, acrescente o açúcar, o fermento e a erva doce, misture bem.
Adicione a manteiga e vá misturando com as pontas dos dedos até incorporar bem.
Em seguida adicione os ovos e misture até obter uma massa homogênea bem firme como mostra a foto (se necessário acrescente um pouquinho de água para chegar no ponto)
Unte a as assadeiras.
Modele as broas em forma de bolas, achate levemente deixando com um formato de um disco, e vá arrumando uma a uma nas assadeiras.
Misture uma gema com uma colher de café forte e …

O poder da língua



A LÍNGUA da girafa chega a medir 45 centímetros de comprimento e é bastante ágil e poderosa para arrancar folhas de árvores.
Já a língua da baleia-azul pesa tanto quanto um elefante. Imagine a força que é preciso só para movê-la!
Mas a mais poderosa de todas é a língua humana.
Embora a língua humana nem se compare com a língua desses animais em termos de tamanho, peso e força. Ainda assim, é muito mais poderosa.
Um provérbio diz que: “Morte e vida estão no poder da língua.” (Provérbios 18:21)
Já parou e pensou que uma arma por mais sutil que seja deixa rastros. Punhais e armas de fogo deixam vestígios de sangue. Bombas abalam edifícios e ruas. Venenos terminam sendo detectados.
Mas a palavra destruidora consegue despertar o Mal sem deixar pistas.
Mas quantas vezes não ouvimos falar do poder mortífero da língua humana sendo usado para inventar mentiras e falsos testemunhos que trouxeram ruína, até mesmo morte, a vítimas inocentes.
Você já deve ter visto muitas vezes como que comentários maldosos destruíram amizades de longa data.
Ou como que palavras ríspidas feriram sentimentos.
Jó um servo de Deus no passado foi muito difamado por amigos em quem confiava, clamou: “Até quando ficareis irritando a minha alma e esmigalhando-me com palavras?” (Jó 19:2)
E o meio irmão de Jesus o discípulo mostrou em sua carta o poder destrutivo da língua desenfreada quando disse: “A língua é um membro pequeno, contudo, faz grandes fanfarrices. Vede quão pouco fogo é preciso para incendiar um bosque tão grande! Ora, a língua é um fogo.” — Tiago 3:5, 6.
Mas a mesma língua tem outro lado.
O seu poder também pode salvar vidas.
Palavras consoladoras ditas com empatia salvaram alguns da depressão e do suicídio.
Bons conselhos, quando acatados, salvaram muitos viciados em drogas e criminosos da morte prematura.
A língua do justo são “árvore de vida”, e “como maçãs de ouro em esculturas de prata é a palavra falada no tempo certo para ela”. — Provérbios 15:4; 25:11.
E do mesmo modo como que da mesma fonte não devem brotar o doce e o amargo assim deve ser a nossa língua.
Isso quer dizer que devemos estar atentos a como nós usamos a nossa língua.
Lembre-se de que o que fala tem muita importância e muito poder, e via de regra não pode mais voltar atrás.

Por volta do ano 2000 antes de Cristo, um mercador grego, rico, queria dar um banquete com comidas especiais. Chamou seu escravo e ordenou-lhe que fosse ao mercado comprar a melhor iguaria.
O escravo voltou com um belo prato, coberto com um fino pano. O mercador removeu o pano e assustado disse:
- Língua? Este é o prato mais delicioso?
O escravo, sem levantar a cabeça, respondeu:
- A língua é o prato mais delicioso, sim senhor. É com a língua que você pede água, diz "mamãe", faz amizades, conhece pessoas, distribui seus bens, perdoa. Com a língua, você conquista, reúne as pessoas, se comunica, diz "meu Deus", reza, canta, conta histórias, guarda a memória do passado, faz negócios, diz "eu te amo".
O mercador, não muito convencido, quis testar a sabedoria do seu escravo e o enviou novamente ao mercado, ordenando-lhe que trouxesse o pior dos alimentos.
Voltou o escravo com um lindo prato, coberto por fino tecido, que o mercador retirou, ansioso, para conhecer o alimento mais repugnante.
- Língua, outra vez!, diz o mercador, espantado.
- Sim, língua, diz o escravo, agora mais altivo. É a língua que condena, separa, provoca intrigas e ciúmes. É com ela que você blasfema e manda para o inferno.
A língua expulsa, isola, engana o irmão, responde para a mãe, xinga o pai...
A língua declara guerra! É com ela que você pronuncia a sentença de morte.
Não há nada pior que a língua, não há nada melhor que a língua.
Depende do uso que se faz dela.

Postagens mais visitadas